terça-feira, outubro 09, 2007

Almost 2.5

Em algum momento da sua vida você olha pra trás pra um passado que você não viveu exatamente e pensa “não, isso eu não vou fazer igual ao meu pai”,sim, isso eu vou fazer igual minha mãe (supondo que você saiba um poço da história dos seus antecedentes).

Minha mãe casou com 24. Eu tenho 24. Eu não vou casar com 24. Não porque eu não quero, mas casar hoje não é mais uma necessidade, uma imposição da sociedade ou uma regra antropológica. Você casa se quiser, mora junto se quiser, dividi cama se quiser. Eu até quero e um semi-noivo eu tenho...
Enfim, estou fugindo do propósito do post (rs).

A parada é que vou fazer 25 em dezembro. Minha mãe deu luz a esse ser simpático que vos escreve aos 25 anos. Se fosse pra eu ter filho hoje estava perdida. Odeio choro de neném, perder noite só por um bom filme ou umas boas cervejas, gosto de gastar comigo, minha própria molequice toma todo o espaço e não tenho estrutura para ter um ser sobre a minha responsabilidade. Mas também não quero ser uma velha com um bebê nos braços. O filho ter 20 e você 60? Cruz credo.

Esses pensamentos “Com essa idade minha mãe nãoseioquelá” são importantes. Nãoseioquelá porque, mas são.

5 comentários:

hélio disse...

Ah, se eu fosse pensar na idade em que meus pais tiveram filhos, vc estava lascada (e mais gordinha) uma hora dessas.

Bjos!

Ana Claudia Guimarães disse...

Eu fico pensando essas coisas tb.
Se a gente faz as coisas no mesmo periodo que a mãe e é só coincidencia, ou tem algo a ver...aff!To fugindo do proposito do comentario tb...rs!
Mas enfim, deixe as coisas rolarem e não sei o que.

Arnaldo disse...

Nunca pensei por este viés. Minha mãe morreu aos 40, quando eu tinha 22. Se as coisas se repetissem eu teria pifado há 7 anos.

O pensamento que me percorreu a cabecinha besta foi quando fiz 37. Tinha atingido a metade da idade média do brasileiro quando morre e percebi que não tinha feito a metade do que eu queria. Entrei em parafuso e depois percebi que esse pensamento cartesiano era uma bobagem. A vida tem que rolar. De preferência com prazer.

Rafael Carvalho disse...

Os tempos agora são outros, as coisas mudaram, mas se fosse para seguir os passos em relação aos meus pais em matérias de filhos (sou o caçula de três) ainda teria um bom tempinho, uns 10 anos ainda pela frente. Mas por pretensão prefiro esperar ainda um bucadinho mais.

Talita Marins disse...

POxa, minha ma~e tem 60 e eu 21! Não é tão ruim assim, muito pelo contrário, é maravilhoso! rssr
te amo.