segunda-feira, novembro 10, 2008

Muro

Entro e vejo rostos de sofrimento, chinelos, senhoras e crianças, apelos para atendimento em pelo menos duas horas e paredes descascando. Depois de uma fila confusa, num calor sufocante, consegui chegar à recepcionista que nem parecia estar ali de verdade. Tonta com tantas vozes, com suores, um coque descabelado e uma vontade explicita de sair dali correndo.
- Boa tarde, eu tenho uma consulta marcada com a Dra Vivian...
- É plano de saúde?
- Sim, sim
- Você vai sair daqui, dar a volta, é na outra porta.

Abro a outra porta, ar condicionado, TV grande, cadeiras confortáveis para espera, sem fila e recepcionistas de uniforme, água, café e sorrisos pra todos os lados.

- Boa tarde...
- Boa tarde!
- Eu tenho um consulta com a Dra Vivian..
- O cartão do seu plano, por favor.
- Aqui. Me diz uma coisa, aqui é só pra quem tem plano, é?
- É, e particular,
- E lá?
- SUS...
- Hum

(...)

- Eu vou demorar a ser atendida.
- Não. A médica vai te chamar agora.

Não é novidade este tipo de situação, mas não deixa de doer ver dois mundos tão diferentes em um mundo só. Quem conta com assistência da saúde pública sofre, é humilhado por filas, médicos que demoram a chegar, mal humorados e não pode desfrutar do mínimo de conforto e tratamento humano.

Quem espera pouco no ar-condicionado vive num mundo a parte. Fecha os olhos pro outro lado e agradece com um orgulho questionável por ter condições de ter um plano de saúde. Ou nem isso, apenas despreza os outros.

Quem espera a tarde toda no calor e com um ventilador empoeirado na cara, lamenta a falta de sorte, de condições financeiras ou balbucia em voz baixa que paga impostos para ter direito à saúde. Ou nem isso, apenas aceita a situação.

Eu não consigo me orgulhar, desprezar, lamentar, aceitar. Mas também não sei o que fazer.

Saí depois da minha consulta, olhando pessoas que do outro lado ainda esperavam ser atendidas pela recepcionista. De mãos atadas, que a gente mesmo passa o laço.

4 comentários:

Euzinha disse...

Acho q o meme não tem prazo não...

Sobre teu texto... eu tb lamento muito essa diferença social que vivemos, e por isso acho q temos que prestar muuuuuita atenção em quem votamos. =/

Beijo

Ci disse...

realidade absurda e dura do nosso país!

tb não sei o que fazer...
isso me frustra!
:/

tulio disse...

estou sempre na outra sala!





a do sus, claro!

Emi disse...

Pois é, viu, Mi! Me deparei com essa situação e com essa reflexão duas vezes esse ano: uma quando fiquei doente e outra agora com minha mãe.
Nas duas me senti angustiadíssima com tudo isso... E com a mesma sensação de impotência, que parece que dói mais do que o descaso que não me atinge.
É foda, e mais foda ainda é saber que não vai mudar justamente por isso: já está cômodo até demais pra quem poderia fazer alguma coisa.