sábado, agosto 22, 2009

FIB 2009_Sexta- Balanço Geral- Saldo Positivo.


Primeiro dia de Festival de Inverno Bahia: saldo positivo.


Vou do início: Acompanhar algumas informações pelo twitter está sendo legal, deu pra saber quando os portões foram abertos, a ordem das atrações... Chegamos umas 22:30 e a chegada foi assustadora. Estacionamento vazio, sem fila pra entrar, o que já era previsto e cambista vendendo ingresso quase de graça (uma amiga achou camarote por 25 reais).


A segurança estava menos rígida que nos anos anteriores. Logo na entrada, tinha o pessoal do “merchan”: Sonho de Valsa (que eu não vi o que estava distribuindo), o Club Social (com os novos sabores que são uma delícia!) e LA (o que eu acho que não pegou nada bem, um Festival falando de responsabilidade social e tal, com o pessoal vendendo, dando (nem sei) cigarro). A ação da Fainor foi a melhor que eu vi até hoje na história dos Festivais. Essa coisa do adesivo com o número pra procurar o par e se achar ganha um brinde e concorre um notebook é super interessante. Apesar de o brinde ser chinfrim é divertido ficar procurando seu par. E Hélio achou o dele, o que foi mais engraçado ainda. Só que a galera não aderiu muito, vi poucas pessoas com o adesivo, não sei se por vergonha ou se não entendeu a ação.


Pegamos o fim do show do Excalibur na tenda. O som por lá tava limpinho, muito bom, galera animada, de boa.


No show de Mart’nália ainda tinha um buraco na arena, apesar de ter começado com quase 3 horas de atraso. O samba tava uma delícia, apesar de eu não conhecer muito, gostei da presença de palco dela. É um som muito específico também, na conversa com Rapha ele disse que pra quem entende de candomblé foi muito mais interessante. Para o que eu vi: nota 9,5.


Zélia Duncan me surpreendeu. Ao vivo a voz dela é muito mais potente, uma simpatia, uma homenagem a Raul que foi linda, set list das mais conhecidas que animou a galera. Nota 10. Pra mim, o melhor show e eu nem esperava isso.




Na tenda, vimos o finalzinho de Zeu Brito. O cara não faz minha cabeça de jeito nenhum, mas o som tava bom e ele acumula uns fãs bem loucos, o que faz a performance ficar mais interessante. Teve também o Dj Trindade, adorei! Mandou bem na set list agitadíssima.






Natiruts foi o show menos destacado, mas não exatamente ruim. A última música embalou de verdade, Natiruts Reggae Power fez a galera enlouquecer, como eu previ na postagem anterior. Pena que foi a última música. Nota 9.


O Teatro Mágico entrou no palco 4:30. Não estava entupido, quem ficou era fã mesmo ou estava muito curioso. Fiquei surpresa com o show, bem rock and roll, interação massa com a galera, gostei muito. Só senti falta de mais músicas do Entrada para raros, que são as que mais conheço. Apesar do cansaço, um show terminando já de manhã é bonito de ver. Nota 9,8.



Outras observações:


O único grande problema da noite: o intervalo entre um show e outro. Cansa demais a espera e, não sei se foi por esse motivo, os shows foram muito curtos.


Já passou da hora de alguém se atentar para avisar aos artistas de não chamar Conquista de Vitória. É um cuidado que parece ser besteira, mas as pessoas não gostam, de verdade.
Estava calor no Festival de Inverno!


Quem quiser comer alguma coisa, indico a Casa da Sopa. Tomei um caldo de camarão que fez um bem danado, revitalizou. Bom e relativamente barato.


Cerveja Nobel desmotiva. Prefiro tomar outra coisa. O problema são os preços, uma facada no fígado.

Gripe Suína: vi umas 10 pessoas de máscara. Na porta do banheiro tinha o álcool em gel, mas que acabou logo. A Secretaria Municipal de Saúde tava com stand lá, vou passar hoje pra ver o que tem.


O grande elogio ao FIB nessa sexta-feira: o som! Muito bom, nunca vi em nenhum Festival a qualidade de som tão legal, tanto no palco principal, quanto na tenda.


Barracão do Forró eu não vejo, então não posso falar nada.


Com relação à postagem das expectativas, queimei a lingua feio com Zélia Duncan. Foi o melhor show da noite.

Amanhã eu volto com mais FIB. E vc, achou o que desse primeiro dia?

Amigos:














5 comentários:

Halff disse...

Eu não estava muito animado com a festa, não tenho me animado muito para festas... é fato! Cheguei meio assim, vi tudo do palco principal (com exceção do reggae q só suportei 20 minutos e fui p/ o boca de forno). Fui muito melhor do que eu esperava. Foi muito bom chegar em casa quando já era dia. Foi muito bom o lance lúdico do OTM. Do mix de todos os festivais q fui aqui... talvez tenha sido a melhor noite!

Kakaroto disse...

Show de Martnalia foi phoda! Sambei pra caralho, saí cansado.. e fiz samba de roda de candomblé tb.. hihihihihi..
Não vi o show da Zélia.. =/
Mas vi o de Mão Branca, com ele bebado como sempre e foi massa! =D
O de Zéu Britto, o que eu mais queria ver! Só vi o final.. :-( mas valeu por ele ter atendido aos meus pedidos (e de mais 100) de fã alucinado por "mais um".. (e vlw pelo brega de leila!)
Acho q enjooei de Natiruts, por ter visto shows deles demais, mas é sempre legal, a banda é boa, mesmo hoje sendo "reggae de playboy" hahahahaha..
Fiquei bebado e escolhi não ir ver o Teatro Mágico.. não me interesso muito.. ouvi o disco da banda há anos atrás e não me lembro de ter querido ouvir de novo.. só.
Shows poderiam ser mais longos, concordo!
Exatamente: o nome da minha cidade não é Vitória, PAMdD!
Cerveja a 3 conto, red a 10! Hj já vou bebado praquela poha!
Quer dizer então q as máscaras não erão em homenagem ao Michael?
Qualidade sonora realmente impecável.. bem lembrado..
"Esqueceu-se", talvez, de falar sobre oq eu achei ser uma falha: WTF eles queriam com aqueles telões? Trocaram por uma tecnologia superior, colocando teloes de led, mas os leds davam para contar na mão, broder! Não se via nada! Se for assim, muito melhor o bom e velho telão de pano com projeção. É isso.
Parabéns pelo post!
Xero

Mi do Carmo disse...

Verdade, Gleyson. Esqueci de falar dos telões. Bizarros, né? E esqueci tb de falar que cargas d'agua eles nunca colocam um telão lá perto da entrada pras pessoas saberem o que ta acontecendo lá embaixo?!Isso é fail!

Pagu disse...

Inveja! Inveja! Inveja! Saudade! Saudade! Saudade! Valeu por contar como estão as coisas por ai... humpf... E concordo contigo: o noma cidade é CONQUISTA, caralho!!!!

EmLetras disse...

Meu primeiro festival!

Acho que o FIB seria muito feliz se fizesse algumas pesquisas com o público antes do evento, muitas ideias boas e baratas ficando de fora. O ponto negativo com certeza foram os intervalos entre os shows, grandes demais.
Gente, sou revoltada com a coisa do nome da cidade, um detalhe bobo, mas que faz toda diferença.
Michele, muito bom o post, parabéns!

Lívia