terça-feira, agosto 07, 2007

Abra as pernas e relaxa.


Talvez o momento mais constrangedor para algumas mulheres seja a hora da consulta ginecológica. Para as mais pudicas então.... deve ser um horror.

Primeiro que não tem como fugir dessa fatídica sessão de tortura que implica um diálogo sobre suas relações sexuais e de toda sua saúde íntima com uma pessoa que nem é sua amiga (no caso das primeiras vezes). Temos que fazer os exames periódicos porque, principalmente no caso das pessoas que fazem sexo com freqüência, o bem-estar alheio pode estar em questão, e o seu também. Mas não só isso, os motivos de se ir ao médico ginecologista podem ser variados: corrimentos, irregularidades no clico menstrual, TPMs, coceiras sem razão aparente ou aquelas doenças assustadoras que a gente vê nos livros da escola.

A conversa que precede a outra parte pode dar um alívio reconfortante (redundância?). Você pode descobrir que não tem nada e é tudo paranóia (no caso de não ser uma visita de rotina) e se você tiver alguma coisa só os exames dirão. Isso se a médica for agradável, se ela sorrir, se fizer de compreensiva, der aquela atenção tão prezada e que geralmente “passa batido” pelos Doutores claramente menos apaixonados pela profissão. E é uma coisa realmente humilhante e revoltante sentar numa cadeira, desabafar todos os seus problemas, todas as suas dúvidas, expor suas dores e dizer, através de um prévio auto diagnóstico, a ridícula constatação: “Eu acho que é um câncer” e o médico nem olhar pra sua cara direito.
Voltando ao Caso Ginecologista, essa é a especialidade da medicina, assim como a Urologia, que o médico deveria fazer de tudo para o paciente de sentir a vontade, porque na hora do “agora você ali no banheirinho, tira toda a roupa, inclusive o sutiã, coloca o avental e volta aqui”, até as menos envergonhadas sentem um pouco de constrangimento. Não é um exame divertido. Eu penso que esses consultórios deveriam ter algum atrativo de distração, que nem nos de Pediatria. Aí você pensa que ela é uma profissional, vê aquilo o dia todo, faz aquilo todo dia e até que esquece que está deitando naquela cama e colocando as duas pernas pra cima, se abrindo para uma estranha.

P.E. – Pausa para explicação: refiro-me ao profissional como “Ela” porque a minha é “ela”, mas já tive um ginecologista “ele” e foi a mesma coisa. Só acho que os homens não são capazes de entender minha TPM, então prefiro uma mulher.

Engraçado são os pensamentos: “ela deve ver X xoxotas por dia, em um mês devem ser X xoxotas diferentes”, “será que alguém vem sem tomar banho”, “será que ela comenta para o marido em casa: “Hoje eu vi uma xoxota tão feia””, até que sem querer sai minha pergunta: Você é casada? E ela responde, sem entender direito, mas logo esquece minha inferência , acaba meu exame das mamas (“Tudo em ordem!”) e desce. “Vou jogar um liquido que pode arder um pouco” (você já está cansada de saber disso) e pimba aquele ferro gelado apertando lá dentro. “Esse aqui rosinha é a parede da entrada do seu útero”. Onde? Na TV, oras. Agora assistimos ao exame com uma aula básica sobre as paredes do útero, e o que era um tédio acaba sendo divertido, interessante e didático! “Olá meu útero lindo e rosa!”, eu disse pra descontrair, mas ao mesmo tempo: “Tem uma câmera dentro de mim, assim sem anestesia, que estranho”. Acabou, volto daqui a seis meses se estiver tudo bem. E saio pensando: “Pena que os homens são machos e conservadores demais para contar a experiência deles”.

3 comentários:

Shirley de Queiroz disse...

Estava pensando que as pessoas ficam constrangidas de entrar num consultório, sentar numa cadeira e abrir a boca para o dentista, imagine deitar e abrir a... Putz. Mulher é bicho que sofre... rsss

Lindinha disse...

Rssss, muito pior é quando o seu ginecologista é homem e enquanto te examina diz: nossa, vc está bronzeada hein! E vc pensa, constrangida: não era pra vc essa marquinha de biquini!!!
Mulher sofre!!!Kkkkkkkkk!
beijo Mi

Ana Claudia Guimarães disse...

Eita Mi...concordo plenamente com tudo que disse. Acho realmente muito frio e constrangedor o que a gente tem que passar, mas no fim das contas a gente acaba dando risadas mesmo né?
Outra coisa, no consultorio da minha dentista, a sala de espera tem computador com acesso a internet e dentro da sala na hora da consulta, enquanto ela " futuca" a boca dos pacientes...passa uns dvd's.
Achei super criativo da parte dela. Sem duvidas fico mais a vontade ou quem sabe, menos nervosa. Que sugerirmos isso ás nossas ginecologistas??!?!?1
RS