quarta-feira, setembro 19, 2007

Enquanto isso no Tabelionato de Notas....

Eu acho que não existe nenhuma instituição nesse mundo com eficiência maior de juntar tantas pessoas de vários tipos no mesmo metro quadrado do que o Fórum, mais exatamente a fila do 1º Ofício do Tabelionato de Notas. Afinal, autenticar documentos, por exemplo, todo mundo precisa um dia. Basta esse dia chegar.
O primeiro de onde minha vista alcançava (sim, qualquer órgão que preza o nome de órgão público não pode faltar uma “filinha” básica) era, com todas as letras, um representante da espécie que eu mais estranho ultimamente, um EMO junkie com seu cabelo na cara, uma blusa listrada, all-star vermelho (ahhh saudade da época em que all-star era coisa de gente com personalidade) e claro, lendo um livro com capa de livro clássico e um chapéu de Che Guevara. Um chapéu de Che Guevara num EMO! Eu hein! EMO combina com Che Guevara? Mas eu não gosto também do Che. Não por ele, mas pelo símbolo que ele representa (traumas da ala “esquerdista” da universidade). Não tem que combinar né? Eu mesma prego isso, que pessoa mais contraditória....
Sim, atrás do emo (diminuí para as minúsculas) tinha um senhor baixinho, moreno (quando você lê só moreno, você imagina como? “moreno”é tão genérico...), calça social azul, blusa de botão branca, um bigodinho de Sargento Pincel. Era aparentemente um contador. O que leva uma pessoa em sã consciência se tornar um contador? “Vou passar minha vida preparando folhas de contra-cheque, que delicia!” Eu hein 2.
Depois um office-boy, com certeza! Cara de pressa só para ter cara de pressa porque na verdade ele está adorando aquela fila: vai adiar os pagamentos, a coleta de assinaturas, outras filas, toda aquela papelada na mão tudo para amanhã.
Uma adolescente acompanhada da mãe e uma evangélica (evangelismo deveria ser profissão) e eu.
Será que alguém lá atrás está me analisando? Tipo, se for mulher: olha aquela menina ali de cabelo cacheado, com nariz tão empinado e com macacão de trinta reais da promoção de 70% da Marisa. Ser for homem: “hummm how you doing?”.
Até que um rapaz que tinha saído da fila enquanto eu a observava voltou e disse: “um absurdo! Uma cidade com 300 mil habitantes e só um Tabelionato para autenticar documento!” E eu pensei: “é mesmo, mas pensar sobre isso é muito chato. A evangélica desistiu”.

Um comentário:

Tal Marins disse...

É tão bom observar as singularidades humanas em um lugar onde há tanta diversidade! ficar pensando nos problemas institucionais e de ordem e progresso do país seria perder tempo e oportunidade! Deixa pra pensar nisso em casa, assistindo ao jornal ou no quarto... rsrsrs
Te amo! bjus