segunda-feira, julho 23, 2007

A burrice das pessoas inteligentes

Se tem uma coisa irritante são os intelectuais que fazem questão de se mostrarem assim, os pseudo-intelectuais e os nerds da ala radical.

Aquelas pessoas que quando se juntam só sabem falar sobre um assunto só. A pauta é sempre a mesma: correntes filosóficas, estudiosos pós-modernos, música erudita, álbum de figurinhas dos anos 80 ou bandas underground que só 30 pessoas em todo mundo conhecem.

Mas o assunto em si não é o problema. O que me tira do sério é não saber desenvolver uma outra conversa com mais de dois minutos sobre qualquer outro assunto que não seja aquele pertencente ao mundinho restrito da cabecinha limitada de alguns.

Como disse, o conteúdo por si só não é irritante. É como ele é abordado. Essas pessoas costumam se gabar, muitas vezes sem nem perceber, por “dominarem” um papo mais cult. E se sentem superiores e fazem com que o outro se sinta inferior. Não “descem” o nível do papo de jeito nenhum. “Vê se eu vou perder tempo falando nisso?”

O fator mais incomodativo é o torcer de nariz para os temas mais populares, como um programa de televisão, um filme de ação blockbuster, a vizinha que pegou o marido com outra e congêneres.

Como se para ser diferente precisa não parecer normal, gostar e admitir gostar de coisas normais. Como se para parecer inteligente precisa falar difícil, precisa sempre discorrer teorias para explicar os acontecimentos do mundo.

Um exemplo? Fui a um aniversário de um professor- psicólogo onde queriam que o aniversariante fizesse um discurso citando algum filósofo. Me poupe! Que chatice!

Eu gosto mesmo é de gente versátil. Que fale sobre quase tudo, dominando o assunto ou não. Que assuma suas preferências, seus gostos, mesmo que eles não pareçam tão selecionados, tão rebuscados.

Falemos de cinema iraniano, mas depois falemos de Raul Gil. Falemos de Shakespeare, mas depois falemos das propagandas de cerveja. Falemos da direita e da esquerda política e depois falemos da roupa devassa da ex-namorada do seu melhor amigo.

Falemos sobre outras coisas, uma pessoa verdadeiramente inteligente faz isso porque ela não precisa provar que é inteligente. Ela só é e pronto.

2 comentários:

Lindinha disse...

Eu simplesmente abomino pessoas assim e nada, nadinha do que elas digam ou façam me faz sentir inferior. Inteligência não se demonstra assim. No way.

Beijocas Midoca

tulio disse...

Eu cito vários filosofos em minhas conversas.
Eu sou cult!
haah
beijo