sexta-feira, fevereiro 27, 2009

O mundo selvagem dos mamíferos acéfalos

Eu sei que carnaval já é papo passado e que muita gente (assim como eu) já teve uma overdose das lamentáveis rimas e miseráveis danças.

Carnaval não é festa da alegria, nem da sensualidade, nem da harmonia, nem da preservação da cultura brasileira. Todos esses atributos são associados à festa para encobrir uma verdade que muita gente, embora saiba, não gosta de admitir: o Carnaval é a época da pornografia, da putaria e da consolidação do pensamento de que aquilo tudo é pra compensar um ano inteiro de sofrimento e trabalho, consolidar a idéia de que o povo brasileiro apesar de tudo é feliz.

A cara do Brasil é o Carnaval. Um Brasil peladão, com mulheres doidas para abrir as pernas, exalando suor em rebolados excitantes e com homens portados de calculadora somando quantas dessas mulheres levou pra cama ou comeu ali mesmo encostado numa parede, no meio da rua.

Se alguém acha que estou sendo cruel, sugiro que avalie com bastante atenção as letras das músicas tocadas e cantadas no Carnaval (o ano inteiro). Aliás, o termo “mamíferos acéfalos” foi pronunciado por alguém que compartilhou comigo a triste cena de um grupo de jovens dançando loucamente “Perereca pra frente, perereca pra trás”.

É claro que existem fragmentos importantes da cultura popular em algumas dessas festas, mas muita gente está pouco se lixando pra isso, afinal existe algo muito mais interessante pra fazer, como “buscar Dalila ligeiro”, por exemplo.

Então, o Carnaval é um “mundo” selvagem, um grande laboratório para os pesquisadores que gostam de investigar estranhas e repugnantes espécies, aquelas que durante muito tempo acreditava-se não existir, como os mamíferos acéfalos, por exemplo, que enxergam uma única finalidade da sua existência: colocar a mão no joelho e dar uma abaixadinha.

6 comentários:

P.A. disse...

Concordo contigo, Mi!
Embora haja algumas poucas manifestações culturais nos carnavais da Bahia afora, elas já não chamam a atenção da mídia e do povo.

O que vende é a 'música pornô', com abaixadinhas, raladinhas e outras pérolas, e aquela outras que não dizem muito mais do que "Vai buscar Dalila, ligeiro".

Mas onde há vida há esperança, mesmo que num reino de mamíferos acéfalos...

Belo texto!
Bjo!

Aline disse...

Mi, quanta acidez! rs

Adorei o comentário "Vamos matar Dalila" ahauahuaha

O Carnaval como retrato da cultura brasileira pode ser observado apenas em alguns lugares, sobretudo no Nordeste (exceto a Bahia). O de Olinda mesmo, não conheço bem, mas parece que serve de exemplo. O da Bahia está na decadência total. É vergonhoso ver uma pessoa com a representatividade da Ivete cantando "Cadê Dalila". A "diva" da música nacional (como muitos a consideram) poderia estar cantando coisa melhor, não?! Quanto aos outros "artistas" eu prefiro nem comentar. rs

Mas enfim, na hora da baixaria ninguém tá prestando atenção na letra mesmo.

Bjos.
;**

Aline disse...

Olha o que eu achei http://celebridades.uol.com.br/album/scarlett-johansson-enquete_album.jhtm

Lembrei de vc. É a nossa musa.

;**

Shirley de Queiroz disse...

Na Bahia, o carnaval de Rio de Contas é totalmente cultural (de dia).

Desculpa, Mi, mas não pude deixar de lembrar do seu vídeo de carnaval de um ano desses...

Shirley de Queiroz disse...

Na Bahia, o carnaval de Rio de Contas é totalmente cultural (de dia).

Desculpa, Mi, mas não pude deixar de lembrar do seu vídeo de carnaval de um ano desses...

Bruno Rodrigues disse...

olá Michele do Carmo""
meu nome é Bruno Rodrigues, 7 cordas do grupo Brincando de Cordas.
Gostaria que você me ajudasse em divulgar um concerto que estarei realizando na cidade de vitória da conquista.
Se caso for possivel, confirme atraves do email: brincandodecordas@hotmail.com
que eu te mando o baner do concerto.
desde já Obrigado!